SILVIA GARCIA - 37 ANOS DE DEDICAÇÃO E COMPROMETIMENTO COM SUA SAÚDE AUDITIVA!

DIFICULDADE PARA OUVIR? O QUE FAZER?

Silvia Garcia      quinta-feira, 22 de junho de 2017

Compartilhe esta página com seus amigos

O número de brasileiros que sofre com a perda ou dificuldade de audição, vem crescendo cada vez mais. Afinal, o que fazer quando as primeiras dificuldades para ouvir aparecem?

Primeiro começa com a dificuldade de ouvir a televisão, e o indivíduo vai aumentando o volume cada vez mais. Para as crianças, as dificuldades para ouvir começam geralmente na sala de aula, quando fica cada mais complicado ouvir o que a professora está ensinando.

 O que fazer nessas horas?

Para quem não sabe, a perda auditiva é também conhecida no meio médico como surdez ou hipoacusia, que é a perda parcial ou total de audição.

Algumas perdas de audição podem ser de nascença ou causada por doenças que acometem o indivíduo ao longo da vida.

Para se ter uma ideia do quanto o problema é sério e precisa ser tratado, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), 1 em cada 7 pessoas no Brasil sofrem com algum tipo de deficiência auditiva.

É preciso que os pais fiquem muito atentos ao desenvolvimento do seu filho ainda na escola. Quando a criança se sente desmotivada ou até mesmo apresenta dificuldades para aprender, é preciso buscar apoio médico para descartar duas primeiras hipóteses: dificuldades de enxergar e dificuldades para ouvir.

Esses dois fatores são essenciais, porque a audição e a visão fazem parte do aprendizado de todos nós seres humanos e, por isso, precisam não somente ser cuidados, mas merecem toda a atenção.

A identificação dos problemas auditivos é primordial para que o paciente possa receber o tratamento adequado o quanto antes.

Cerca de 80% dos brasileiros não sabem que têm problemas auditivos ou não querem aceitar e acabam não procurando ajuda de um fonoaudiólogo.

Perda auditiva -  duas categorias

Existem duas categorias de perda auditiva, a perda auditiva condutiva e perda auditiva neurossensorial.

Na perda auditiva condutiva, o som não consegue chegar até o sistema auditivo interno. Isso pode ocorrer devido a excesso de cera, infecções no ouvido médio, entre outros.

Já a perda auditiva neurossensorial, é quando existe uma falha do nervo auditivo, causado por envelhecimento, ruídos muito altos, efeitos colaterais de medicamentos, infecções virais, entre outros.

Aparelhos auditivos, uma excelente solução

A primeira medida a ser tomada quando se nota uma dificuldade em ouvir, seja em crianças ou adultos, é agendar uma consulta médica, de preferência com um fonoaudiólogo, para poder realizar o diagnóstico correto.

Em alguns casos, pode ser indicado o uso dos aparelhos auditivos, que estão cada vez mais modernos e potentes, capazes de amplificar o som e alcançar até 140 decibéis.

Com a utilização dos aparelhos auditivos, além de corrigir os problemas da audição, o paciente consegue voltar a ter uma vida normal e saudável. 

Comentários

Últimos Artigos

MOTRICIDADE OROFACIAL: VOCÊ SABE O QUE É?

quinta-feira, 22 de junho de 2017

DEFICIÊNCIA AUDITIVA – ENTENDA MAIS SOBRE O ASSUNTO

quinta-feira, 22 de junho de 2017

ZUMBIDO E PERDA AUDITIVA – DESCUBRA QUAL A RELAÇÃO

quinta-feira, 22 de junho de 2017

DIFICULDADE PARA OUVIR? O QUE FAZER?

quinta-feira, 22 de junho de 2017